Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Princesa do Sul

11411924_449684955203903_6286353985434529111_o.jpg

 

Tarde plena. A cidade, nesta hora,
Enche-se de luz. O sol aquece-a
E dá-lhe uns tons doirados, como outrora
Teixeira Gomes só achou na Grécia.

Daqui até à Rocha, ir de viagem,
A bem dizer, é como dar um salto
E embebedar os olhos de paisagem
Onde ela atinge o esplendor mais alto!

Ali, obra de Deus, que não de humano
Poder, é tanta a mágica beleza,
Que, diante dela, até o velho oceano
Humildemente se ajoelha e reza!...

E quando a noite vem, cobrindo tudo
Do negrume estrelado do seu manto,
Acende-se um presépio em Ferragudo,
Refletindo no rio um raro encanto...

Mas, dia ou noite, é sempre uma visão
Estranha e bela de país de sonho
A que se tem, aqui, em Portimão,
Donde, às vezes, me vem a inspiração
Para os humildes versos que componho!

Ó Princesa do Sul! Inutilmente
Me consumo no intuito de cantar-te!
_ Senhor! Tanta beleza em minha frente,
E eu com tão pouca, ou sem nenhuma arte!...

(excerto)

João Braz, em "Esta Riqueza Que o Senhor Me Deu..."
(S. Brás de Alportel-13 de março de 1912 \ Portimão - 22 de junho de 1993)

Fotografia - Jesus Municio (Entardecer em Ferragudo)