Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL em 12.01.18

ALGARVE Casa Tradicional

  Casa Tradicional Inspirações mourasA arquitectura tradicional algarvia reflecte a história, o gosto popular e as necessidades das gentes do sul. A brancura da cal nas paredes, eficaz (...)
RUMO AO SUL em 05.10.17

Não tenho lágrimas

 Não tenho lágrimasestou mais baixojunto à calVejo o solo extintoNão oiço ninguéme não regressoAdormecer talvezjunto a uma estacacom uma pequena pedrasobre as pálpebras António Ramos (...)
RUMO AO SUL em 26.08.17

E se tudo isto não fosse bem assim?

 E se tudo isto não fosse bem assim? Se não fossem os riachos aquilo que julgamos ser; Corpos de água em movimento…E se a brancura fosse apenas a ausência de cor e o silêncio (que de (...)
RUMO AO SUL em 26.04.17

Tudo será construído no silêncio

 Tudo será construído no silêncio, pela força do silêncio.Tudo será construído no silêncio, pela força do silêncio, mas o pilar mais forte da construção será uma palavra. Tão viva (...)
RUMO AO SUL em 26.01.17

Lenda das Amendoeiras em Flor

 Há muitos e muitos séculos, antes de Portugal existir e quando o Al-Gharb pertencia aos árabes, reinava em Chelb, a futura Silves, o famoso e jovem rei Ibn-Almundim que nunca tinha (...)
RUMO AO SUL em 07.01.18

Platibanda

 Azul-cobalto, almagre, amarelo ocre, aqui e ali um verde escurecido dão vida às casas algarvias através das suas platibandas. Platibandas que são parapeitos baixos a conter as açoteias (...)
RUMO AO SUL em 29.05.17

A chaminé algarvia

 A chaminé algarvia tem um condão especial... É fruto da fantasia, deste povo sem igual, de poetas, de sonhadores, serranos e pescadores, que viraram para os céus, a pedir graças a DEUS o (...)
RUMO AO SUL em 29.04.17

O nosso olhar

 O nosso olhar não tem fronteiras ou estações não é uma arma que dispara um tiro imediatamente o espaço é a inocência do seu dom ao sol e na sombra a sua projecção imperceptível
RUMO AO SUL em 24.02.17

Mar salgado

 Sou filha do mar salgado! Ando presa numa rede de que me vou libertar quando passar esta sede que tenho de tanto amar. Tenho nas mãos um arado que uso para abrir regos, e depositar sementes