Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Vim agora da noite

11080752_10200322788068871_1436416245851743355_o.j

 

Vim agora da noite e trouxe tudo:
ela me deu a mão e me ensinou
e eu trago na algibeira as senhas todas.

Agora não há sonhos impossíveis:
não há fruto proibido que eu não coma
nem vagabundo longe que eu não seja
nem cavalo selvagem que não monte
nem navio no mar que não tripule
nem há no mundo porto a que eu não chegue
e bar no porto em que não dance e beba
nem há cidade em que ao sofra tédios
nem selva em que não seja rude e puro
nem há poema belo que eu não pense…

A brisa negra apaga-me a vidraça,
lua e estrelas rasgam-na, ignorando-a,
– sei todas as perguntas e respostas.

Agora não há metas impossíveis:
não há fome a que eu não conheça o pão
nem há sede a que não descubra água
nem virgem morta que eu não ressuscite
nem menino abortado que não crie
nem há vida vazia que eu não encha
nem guerra mundial que não evite
nem salvação do mundo que eu não saiba…

Etc., etc., muitas coisas mais…

Vim agora da noite e trouxe tudo.
Deito-me porque preciso pensar nisso,
tão simples e maravilhoso e nítido,
tão súbito que eu sei e nunca vou
e tombo no cansaço suicida
de a vida não chegar para fazer
tudo isso que a noite me ensinou.

Agora sei porquê e como e quando e quem.
Amanhã de manhã já não me lembro…
mas, amanhã à noite, a noite vem!


Leonel Neves, do livro "Ontem à Noite, Livros Horizonte, 1989
(Faro, 20 de junho de 1921 - Lagos, 6 de setembro de 1996)

Fotografia da Ria de Faro por Pedro Cabeçadas

— com Pedro Cabeçadas.