Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Amar as palavras

 

Amar as palavras
é inventar o vento
através da noite
em pleno dia

12182725_487613551411043_1407392651694922945_o.jpg

 

Se desapareço
grão por entre grãos
é porque deus adormece
como um astro imóvel
polvilhado de pólen

Onde estiver serei
o sono do amor
num claro jardim
e como se estivesse morto
as ervas hão de romper
das minhas unhas verdes
e a minha boca terá
a ébria frescura
da plenitude do espaço

António Ramos Rosa, em "Numa Folha"
(Faro, 17 de outubro de 1924 – Lisboa, 23 de setembro de 2013)

Fotografia de Pedro Cabeçadas
(Faro)

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.