Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

As grutas (excertos)

 

11703398_452471874925211_1529097304045138433_o.jpg

 
O esplendor poisava solene sobre o mar. E – entre duas pedras erguidas numa relação tão justa que é talvez ali o lugar da Balança onde o equilíbrio do homem com as coisas é medido – quase me cega a perfeição como um sol olhado de frente.
Mas logo as águas verdes em sua transparência me diluem e eu mergulho tocando o silêncio azul e rápido dos peixes.(…)
As imagens atravessam os meus olhos e caminham para além de mim.
(…)
Ressoa a vaga no interior da gruta rouca e a maré retirando deixou redondo e doirado o quarto de areia e pedra.
(…)
Os palácios do rei do mar escorrem água e luz.
Esta manhã é igual ao princípio do mundo e aqui eu venho ver o que jamais se viu.
O meu olhar tornou-se liso como um vidro. Sirvo para que as coisas se vejam.
E eis que entro na gruta mais interior e mais cavada. Sombrias e azuis são as águas e paredes.
Eu quereria poisar como uma rosa sobre o mar o meu amor neste silêncio.



Sophia de Mello Breyner Andresen (Obra Poética I)
Através do blog “Lusografias”

Imagem: Gruta da Praia da D. Ana /Lagos, (obtida no “Panorameu”, através do Googgle)