Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Baía do Porto Covo


13055804_548293552009709_867693694128839153_o.jpg

 

Frente a ti, baía de Porto Covo
Sonhei talvez tudo o que tenho agora
Por isso te contemplo e me comovo
Sempre voltarei, pela vida fora

Na tua frente não, não me demovo
De me extasiar com a Natureza
Em ti explode e transcende de novo
O encanto da infinita beleza

Diz-me se ainda existe a fontezinha
Que me matava a sede ao sol pôr
Aí por mero acaso ou sorte minha
Alguém me saciou sede de amor

Com tuas águas transparentes, puras
Para mim foste a confidente única...
Este poema eivado de canduras
É para ti, ó baía mediúnica.

Maria Vitória Afonso, em "Contos e vivências do sudoeste alentejano"
(através de Raúl Alvito)

Fotografia - Costa Alentejana.Porto Côvo por Bruno Palma

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.