Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Canto XVIII

921406_527211784117886_8640105564905442913_o.jpg

 
Amor, o tempo voa no vendaval
no ciclone dos minutos e eu cercado
pela memória do dia em que afinal
nasceu esse sonho, tão ansiado.

O tempo voa amor e assim voando
transforma o sonho na bela sinfonia
onde, a flauta mágica do amor tocando,
me embriaga na memória desse dia.

O tempo voa amor e em cada voo
o sonho revive, alastra, avança
e eu, nestes versos em que me dou,
aguardo, na ilusória esperança,
que o teu tempo seja coincidente
no desejo, na memória, no espaço
com aquele que, no sonho ardente,
espera da realidade, o terno abraço.

.
Miguel Afonso Andersen, no livro "Circum-Navegações" (Raiz perturbada)
(Ferragudo)

Fotografia de Jorge Florêncio
Senhora Da Rocha

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.