Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Enlevo

11856348_463695890469476_1303374651910219324_o.jpg

 


Porque esse olhar de sombra de temor
Se perde em mim, às horas do sol posto,
Quando é de âmbar translúcido o teu rosto,
E a tua alma desmaia como flor;

Porque essas mãos, ardidas de fervor,
Ampararam minha vida de desgosto,
Pobre que sou, Mulher, eu hei composto
Harmonias de prece em teu louvor!

Dei-te a minha alma para ti nascida,
Meus versos que são mais que a minha vida;
Por Deus, perdoa ao mísero mendigo!

Perdoa a quem, ansioso de outro mundo,
Implora à Morte o sono mais profundo,
Só pela graça de sonhar contigo!

Mário Beirão, em 'Antologia Poética'
(Beja -1890 \1965)

Fotografia de Beja por Ricardo Zambujo

— com Ricardo Zambujo.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.