Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Meu Alentejo

11999791_474677119371353_7498525135948717286_o.jpg

 

Meu Alentejo de que eu gosto
Inundado de secura,
Minha terra prometida
Semeada de Amargura.
Meu Alentejo que eu quero
Inundado de tristezas,
Minha terra ressequida
Trás no silêncio ... Incertezas.
Meu Alentejo que eu amo
Inundado de abandonos,
Onde a semente caída
Não deu bago, pelos Outonos

 

Natividade Coelho

(extraído de O ALENTEJO NA POESIA por Marcos Olímpio Gomes dos Santos)

Arte - Estremoz por Isabel Zamith

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.