Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Ninguém me prende

Loulé - Vitor Pina.jpg

 

Ninguém me prende, ó séria, extravagante
Liberdade de ser quem sou; nem mais.
Tosco, nas formas, como os figueirais,
Nevado no amendoal... lá mais adiante.
Livre! Sou livre como é livre tudo
Quanto, por ter nascido, mais não é;
Sou livre, nesta força de maré
Com que os versos me invadem, a miúdo.
Ninguém me prende, nem o Amor sequer;
Sou homem livre. Que maior riqueza
Não pode ter doado a natureza
A quem se libertou, logo ao nascer?
Traz, o esplendor do dia, a placidez da noite.
Traz, em teu corpo todo, o encanto que preciso...
Cantar-te- ei, de mim, outro cantar de Amigo.
Cantar- te- ei, de nós, o amor onde se acoite.
Traz, de uma noite, a calma, do dia o alvoroço
Que ponha, em nossos corpos, um reboliço imenso;
E dar-te- ei, de mim, de nós uma espiral de incenso.

Manuel Neto dos Santos, em "PASSIONÁRIO" (a publicar)
(Alcantarilha)

Fotografia - Rocha da Pena Loulé por
Vitor Pina - Photography.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.