Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Quem amou ainda ama

12744605_518574841648247_4220223422909336710_n.jpg

 

Quem amou ainda ama,
vai ouvir a vida inteira a canção furtiva,
vai ouvi-la e cantá-la
ao acaso dos ventos que trazem
do Ocidente e do Oriente
árvores e respirações animais
que supuram a febre do mundo — quem amou
ainda ama, vai cantar a vida inteira
o ninho de mulheres onde se reúnem
a terra e o céu, vai aceitar
o domínio das águas sedentas
sobre o osso e a pedra: o grande ofício
é transformar a terra em osso
e o osso em carne
desamparada. Quem amou
não sabe nada, vai cair
a vida inteira. Mas que força é essa, se não é
um saber? Um saber de bocas invisíveis
e do enigma das águas que são álcool
da carne e pássaro que regressa
ao ninho da mãe. Quem amou
vai amar a vida inteira.

Casimiro de Brito, “Arte de bem morrer”
(Loulé - Algarve, 14 de janeiro de 1938)

Fotografia - Foia (Algarve) por Martyna Mazurek

Martyna Mazurek fotografia.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.