Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RUMO AO SUL

RUMO AO SUL

Saudades

11203539_427194084119657_8271985380040093897_o.jpg

 

Saudades vivas da terra;
Desses chuviscos primeiros
A libertar, dos nateiros,
Perfume que me descerra
Memórias de antes, de antanho,
Da meninice tristonha.
Saudade! Saudade! Sonha
Pelo feitiço mais estranho;
Feitiço que, de nascença,
Faz da tristeza a alegria.
Saudades em demasia…
Todas, da alma a pertença.

Tenho, às vezes, saudades do futuro
Lá onde vou e, regressando, fico
Preso na liberdade; bem mais rico
Da saudade que tenho… mas procuro.
Procurei- te, saudade, estando aqui
Dentro de mim que, dois somos só um…
Onde eu acabo há, de ti, debrum
Onde eu começo… há debrum de ti.

Manuel Neto Dos Santos, do livro "O corpo como nudez"
(Alcantarilha)

Fotografia de Santa Bárbara de Nexe - Algarve, por Victor Gameiro